Manejo da Saúde de Bezerros (Do nascimento ao desmame)
Manejo da Saúde de Bezerros (Do nascimento ao desmame)

Manejo da Saúde de Bezerros (Do nascimento ao desmame)

Administrador - 7/1/22

O desempenho de qualquer sistema de produção de gado de corte está diretamente relacionado à saúde e ao estado nutricional do rebanho. Esse desempenho de produção pode ser avaliado em relação aos critérios de bezerros desmamados,  animais para  abate e  produção de carne e carcaça.
(Correa 1983).

Para não comprometer esse sistema, são imprescindíveis medidas preventivas que possam reduzir a morbimortalidade, que acabam por levar à redução e, consequentemente, à produção.

Portanto, o manejo da saúde dos bezerros é de fundamental importância.

Para facilitar a implementação de medidas preventivas, os agricultores recomendam um guia de fácil utilização  (Anexo I).

Para  garantir a sobrevivência e o bom desenvolvimento dos animais ao longo da vida,  os bezerros precisam receber anticorpos maternos, através do colostro, durante as primeiras horas de vida (máximo 6 horas).

Normalmente, a natureza proporciona essa "manipulação". No entanto, nos casos em que as vacas não produzem colostro, ou  por algum motivo os bezerros não recebem esse leite da mãe, é imprescindível o uso de colostro de outro bezerro.

O colostro, além de fornecer anticorpos, também é rico em proteínas, minerais, enzimas e vitaminas, e possui efeitos laxantes suaves, antitóxicos e energizantes.

Para o bom desenvolvimento dos bezerros, a “cicatrização do cordão umbilical” é fundamental para evitar a contaminação do ambiente externo e das instalações de montagem.

O umbigo deve ser cortado na largura de dois dedos (aproximadamente
cm) e imerso por 2 a 3 minutos em solução de iodo a 10% (Anexo II), ou outro produto similar, imediatamente após o nascimento.

Bezerros "curados" devem ser examinados até que o cometa se cure. Deve-se lembrar aqui  que um grande número de criadores tem utilizado  ivermectina em bezerros recém-nascidos para prevenir miassis, segundo Bianchin et al. (1991), não trouxe nenhum benefício adicional ao uso de iodo na "cicatrização do cordão umbilical". Um suprimento adequado de colostro e "cicatriz" apropriada do umbigo podem ser responsáveis ​​pela prevenção  de 70% da morbidade neonatal (Laender et al. 198).

É importante vacinar  contra paratifóide ou salmonelose em bezerros de 15 a 20 dias. Também é recomendado vacinar vacas  contra paratifóide no oitavo mês de gestação. A diarreia é um sinal clínico comum em bezerros recém-nascidos, porém outros agentes podem induzir esse processo (Madruga et al., 198).

Nestes casos, a melhor indicação de tratamento deve ser feita pelo médico veterinário.
Para combater a febre aftosa, os órgãos oficiais de saúde de defesa  de cada estado coordenam diferentes campanhas de acordo com a região e o resultado desejado. No Mato Grosso do Sul, o IAGRO tem tomado a atitude correta ao buscar erradicar a  doença.

Nas terras altas, todos os animais com um ano de idade são vacinados entre 1 e 28 de fevereiro: todos os animais com menos de dois anos entre 1 e 30 de maio, e todos os animais em casa a partir de 30 de novembro.
 
 Nas zonas húmidas,
todos os animais da propriedade são vacinados uma vez por ano,  de 10 de maio a 15 de junho ou de 10 de novembro a 15 de dezembro. . A vacina contra Brucelose

  deve ser administrada em dose única entre novembro e junho pós-parto apenas em mulheres de  três a oito meses de idade. Devem ser marcados com um “V” à “esquerda”, seguido do último dígito do ano de vacinação. Esse manejo pode ser combinado com uma vacina contra o antraz sintomático (vacina multivalente) por um período de quatro a seis meses. Isso deve ser repetido seis meses depois.
Em áreas onde  o botulismo é comum, os bezerros devem ser vacinados aos quatro meses de idade, repetidos após
0 dias e uma vez por ano.

A vacina anti-rábica bovina é recomendada apenas em áreas endêmicas e deve ser administrada anualmente no mês de julho. Dependendo do tipo de criação (reprodução, criação ou engorda), as vacinas podem ser utilizadas com diferentes períodos de proteção. Deve ser combinado com vacinação de cães e cavalos e controle de morcegos vampiros na área.

A partir dos seis meses de idade, os bezerros devem ser desmamados e marcados. Do desmame aos 30 meses de idade, Honer e Bianchin (1991) recomendam a desparasitação estratégica anual em maio, julho e setembro.

Para que os animais respondam adequadamente às vacinas, eles devem estar em  bom estado de nutrição, o que depende da disponibilidade e  boa qualidade do pasto, aliado à suplementação mineral específica para cada região, opcionalmente, no cocho, no ano tudo. .

É importante que os veterinários respeitem o calendário de higiene, administrem vacinas, principalmente a brucelose, diagnostiquem a doença e prescrevam se necessário. Lembre-se que este documento tem como objetivo orientar os motoristas rurais. No entanto, novas opções de vacinas e  medicamentos podem surgir  neste caso, consulte seu veterinário.

Fazer Comentário

whatsapp logo