Gordura bovina é segunda matéria-prima na produção de biodiesel
183

Gordura bovina é segunda matéria-prima na produção de biodiesel

Administrador - 15/12/21
 A gordura bovina é considerada uma matéria-prima estratégica na cadeia produtiva do biodiesel com a participação atual de cerca de 13% da produção mundial desse biocombustível no Brasil só depois da soja. E com  expectativa de  demanda crescente por esse produto por parte da indústria de reciclagem animal com a perspectiva de aumento gradativo da mistura no diesel agora de 11% para 15%. Portanto estima-se que a gordura da carne diminuirá de 600.000 toneladas  ano para quase um milhão de toneladas  ano para o biodiesel a partir dessa matéria-prima.

Cleer Soares Diretor Executivo de Inovação e Tecnologia da Embrapa disse: “Essa expectativa é grande para toda a cadeia da pecuária principalmente para o último setor. “Esperamos que a quantidade de gordura bovina usada na produção de biodiesel aumente em 50%. "

Em 2018, 70,07% das matérias-primas utilizadas na produção do biodiesel vieram do óleo de soja, sendo que o sebo ocupou o segundo lugar, com 13,12%. Na quantidade total de  gordura bovina, dividida por região, a parte norte é a mais inserida, cerca de 37%, o sudeste com 33,76%, o nordeste com 2,5%, o sul com 13,99%  e o centro-oeste com 5,96%. A proporção de gorduras como  2,13 em porcos e 0,83 em aves é relativamente baixa, e as gorduras de origem animal estão no mesmo nível do sebo, cerca de  13%.

Por causa da composição química da gordura da carne, explica o pesquisador da Embrapa Agroenergia Itânia Soares, as usinas  de biodiesel costumam usar até 20% dessa gordura misturada ao óleo vegetal para evitar os sólidos da gordura.

O sebo é produzido por
indústrias de reciclagem de animais, que coletam  resíduos do abate da indústria animal e os transformam em matéria-prima para  biocombustíveis. O biodiesel é adicionado, tornando-se o mais importante mercado consumidor da gordura bovina, contribuindo com benefícios econômicos, ambientais e sociais para toda a cadeia produtiva da carne e dos biocombustíveis.

O que antes era resíduo e responsabilidade ambiental passou a gerar energia limpa em substituição aos combustíveis fósseis afirma Lucas Cypriano da Associação Brasileira de Reciclagem Animal (ABRA). Ele disse que a coleta era limitada anteriormente às áreas mais próximas às indústrias e a maioria dos resíduos do abate da indústria pecuária não eram coletados. “O problema ambiental não é causado pelas gorduras animais ou pela indústria mas pelos resíduos do abate de gado in natura que ficam na sua origem sejam frigoríficos ou matadouros. Pequeno ou médio ou açougue isso não acontece. Tem coletados. "

“De maneira muito clássica a carne bovina é considerada um resíduo da produção e um subproduto do matadouro. Desde 2005 com o Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel a gordura animal produto da indústria de reciclagem animal passou a agregar valor melhorar a produção pecuária acrescenta Cleer.

Cypriano enfatiza: “O sebo de maior valor permite que as indústrias reciclem os animais coletados em matadouros e açougues em distâncias maiores, possibilitando o uso de um transporte mais rápido, aumentando significativamente o volume de coleta, contribuindo significativamente para a preservação do meio ambiente”.





Fazer Comentário

whatsapp logo